13.7.08

quem sou eu?

Quem faz a pergunta "quem sou eu?" em busca de um significado qualquer já está derrotado de antemão. Não existe resposta a essa pergunta senão no terreno da ficção, do embuste, da má-fé. Partimos como orgulhosos guerreiros em busca do autoconhecimento e terminamos como Narciso, contemplando uma imagem, uma simples imagem, e não é por acaso que terminamos nos afogando nela. A quem nos pergunta "quem é você?" devemos responder: "eu sou minhas forças, minhas idéias, meus afetos, e sobretudo os investimentos concretos de tudo isso num campo social não menos concreto (desejo). Tudo isso muda e se reconfigura o tempo inteiro e portanto não pode ser encerrado numa imagem ou numa definição." É claro que, se não tivermos paciência suficiente, poderemos responder: "eu sou um cheiro de cravo nos cabelos da noite", ou então "eu sou a trigésima quinta nervura na asa esquerda daquela mosca que acaba de morrer".

Nós sempre teremos os problemas que merecemos de acordo com os nossos investimentos de desejo num campo social (por meio dos quais produzimos a nós mesmos e aos demais). É por isso que eu creio que o conceito de autopoiese é bem mais decisivo do que o de autoconhecimento. No limite, não há nada a conhecer, tudo está por ser produzido.

10 Comentários:

Blogger Cecilia Cavalieri disse...

to de casa nova. passa lá com o seu crivo. bjs

:P

23 de julho de 2008 19:57  
Anonymous artness disse...

concordo, 'quem sou' não se diz! Afinal, somos dinâmicos, penso q apesar do gerúndio ainda ficaria menos ruim se dissesse 'estou sendo',rs

bjo

23 de julho de 2008 20:58  
Blogger Júlia Moura Lopes disse...

ai, ai, Francisco, não deu para segurar eu levei lá para o Privilégios :-)))


beijo

27 de julho de 2008 17:58  
Anonymous Anônimo disse...

Chico!
Não posso deixar de registrar minha passagem por aqui.
Estou positiva e literalmente encantada com os conteúdos que estás disponibilizando neste espaço. Já lancei nos meus favoritos e vou dar uma espiada todo santo dia. Sou grata por isso, por poder ler coisas assim, quando a gente mergulha num mundo que se afoga em arquivos pré-formatados e no prêt-à-penser nosso de cada dia que nos dão hoje.
Abraço!
Maristela

30 de julho de 2008 17:53  
Anonymous chico fux disse...

Ah, Maristela, que alegria vê-la aqui!

Quando puder, faça uma pesquisa (aqui mesmo no blogue) com a expressão "a cultura e a morte". Os textos que você encontrará não passam de notas esparsas, precipitadas no calor da hora, mas que são como que o embrião do ensaio que estou escrevendo.

Um forte abraço deste seu amigo!

30 de julho de 2008 20:00  
Anonymous Anônimo disse...

Chico,
Estou encantada com a pesquisa que fiz sobre "a cultura e a morte". Acho que vou me atrever a selecionar e remeter para ti algumas passagens de Gabriel Tarde que me parecem afinadas com este tema. Uma faz parte da Criminalidade Comparada e outra está em A Opinião e a Multidão. Vou tratar disso neste final de semana.
Grande abraço!
Maristela

1 de agosto de 2008 18:18  
Anonymous chico fux disse...

Recebi seu email hoje, Maristela, e só não pude responder imediatamente porque estava saindo para o trabalho.

Adorei o trecho que você me mandou. Há uma relação evidente entre ele e uma passagem de Les Lois Sociales, que por sinal estou me animando a traduzir!

Hoje mesmo respondo seu email.

Forte abraço!

5 de agosto de 2008 18:13  
Anonymous Anônimo disse...

Pois é, Chico. Como eu disse lá no meu blog, não dá pra tentar limitar, conter, controlar aquilo que em si é múltiplo, transbordante: o ser. Neste fim de semana me chamou a atenção na livraria um livro que começava exatamente com essa questão. Queria dar uma lida pra ver como o autor (de cujo nome agora não me recordo) abordava o assunto, mas não deu...
Beijo.
Siomara

1 de setembro de 2008 14:57  
Blogger Francisco Fuchs disse...

Olá, Siomara!

Pois é, gostei bastante do que você escreveu.

Caso leia o tal livro, não deixe de me fazer uma resenha...

Beijo!

2 de setembro de 2008 16:57  
Anonymous Siomara disse...

Pode deixar!

Beijo.

2 de setembro de 2008 18:03  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial

eXTReMe Tracker