7.10.09

a tristeza é fascista

Eu tinha entre 16 e 17 anos, era órfão e fodido (no sentido financeiro do termo, bem entendido) e via-me forçado a trabalhar e estudar, dobradinha que um jovem dessa idade geralmente suporta a contragosto - o que é bastante compreensível, já que nessa fase da vida o trabalho costuma ser alienado (no sentido que o barbudão dá a esse termo), e os estudos, quase que inteiramente desinteressantes. Para piorar as coisas, havia me intoxicado com todo o Sartre que era capaz de digerir e tudo era náusea e morte na alma. Em resumo: além de ser jovem, ou seja, escravo das condições exteriores, eu ainda cultivava cuidadosamente minha tristeza; tristeza que nem mesmo era a minha, já que bem lá no fundo eu ardia numa alegria fatal e inexplicável, mas a do mundo.

Foi então que li em algum lugar, provavelmente no Pasquim, uma frase de Glauber Rocha que deu um nó na minha cabecinha: a tristeza é fascista. Qualquer fã mais ardoroso da lógica teria rejeitado imediatamente esse curto-circuito insólito entre sentimento e política, mas eu sequer tive tempo de acionar minhas defesas lógicas. Aquilo simplesmente fez sentido, embora eu não tivesse a mínima idéia do porquê. Não entendi nada, mas isso pouco importava, já que aquilo me dizia respeito.

Trinta anos se passaram e eu jamais esqueci essa frase. Hoje eu sei que Glauber era um gênio. Hoje eu saberia explicar essa frase com minúcias de amanuense, o que por sorte é totalmente desnecessário já que o nível dos meus parcos leitores é pra lá de alto. Hoje, escrevendo sobre uma das aulas de Deleuze sobre Spinoza (que será publicada em breve em webdeleuze), pensei em usá-la no meu texto e fui procurá-la no Google, quase que por nada, quase como quem diz "vejamos o que conseguem dizer os outros sobre a frase que me pertence".

Encontrei uma única referência. É isso mesmo: em toda a Internet, só encontrei essa frase em um único lugar, lugar esse que está muito longe de ser um lugar de destaque: ela está num blogue, perdida entre os comentários a uma nota circunstancial já sem qualquer interesse (se é que chegou a ter algum na época). O blogue se chama triagem e eu mesmo a havia escrito.

Agora a busca passará a dar dois resultados. E eu ficarei a me perguntar por que diabos eu fui o único a reter essa frase durante todo esse tempo. Pensando bem, acho que vou apagar ambas as referências e relançar a frase como sendo minha. É possível que na minha adolescência eu tenha sonhado que era Glauber sonhando um filme sobre um filósofo holandês no Maranhão.




P.S. -  É, eu sei que o prezado leitor não vai resistir à tentação de fazer ele mesmo sua busca no Google. Já que é assim, lembre-se de que tristeza e fascista tem aos montes por aí. Use aspas para procurar a frase exata: "a tristeza é fascista".

P.S. II - Lembre-se de que será imensamente fácil achar todos os que copiarem a frase por aí... Se quiser usar, pague! Eu só não sei, a essa altura, a quem pertencem os royalties. Na dúvida, mande-os para mim.

P.S. III - Informação útil para os que não me conhecem: o P.S. II é uma blague. Mas mande os royalties assim mesmo.

P.S. IV -  "Maranhão" também quer dizer "mentira engenhosa", o que obviamente nada tem a ver com o relato acima.

7 Comentários:

Blogger Luanda disse...

A essa altura lembrei-me de Tlön, Uqbar, Orbis Tertius. =)

Beijos pra você e pra Raphaela!

Luu

12 de outubro de 2009 05:44  
Blogger Francisco Fuchs disse...

Será que é um krönir? =O

Muitos beijos meus e dela! Saudades!

Chico

12 de outubro de 2009 13:54  
Blogger fred girauta disse...

a frase é de quem pegar primeiro...

29 de outubro de 2009 14:55  
Blogger fred girauta disse...

mas eu prefiro: "a alegria é libertária"

beijos nos dois

29 de outubro de 2009 14:56  
Blogger Francisco Fuchs disse...

Quantas saudades, Fred... Beijos pra vocês também!

Sua frase é boa, mas as Xuxas da vida me levam a pensar que a frase deleminha é mais rigorosa...

31 de outubro de 2009 16:32  
Anonymous Anônimo disse...

Sempre achei o Gira meio xuxinha...
Anônimo também tem saudades...

12 de dezembro de 2009 11:51  
Anonymous Francisco Fuchs disse...

Hum... Quem será?

Certamente alguém que conhece o Gira há muito tempo. (Se o conhece intimamente ou não, é impossível afirmar.)

Hum...

14 de dezembro de 2009 01:36  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial

eXTReMe Tracker